Órgãos de Portugal

Home • Órgãos Históricos • Órgãos Modernos • Artigos • Discografia • Partituras • Podcasts • Agenda • Links

 

Órgão da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz

 

Localidade: Coimbra

Localização: Nave, lado do Evangelho

Construtor: Miguel Hengsberg e D. Benito Gomes

Ano Construção: 1695 e 1726

Último Restauro: 2008 por Pedro Guimarães

Estado: Operacional

Fotos

 (clique para obter fotos grandes)

Disposição dos Registos

Não disponível

 

 

Mais informações sobre este órgão em Baroque Organ Cases of Portugal

Informação adicional

Excerto de artigo da Agência Ecclesia:

« [...] De facto, um documento do século XVIII, depois de afirmar que o Convento dos Cónegos Regrantes "sempre se esmerou em ter o melhor órgão de Portugal", acrescenta que o instrumento fabricado (sobre o que restava de um primitivo órgão de Portugal", acrescenta que o instrumento fabricado (sobre o restava de um primitivo órgão do século XVI) pelo insigne mestre Manuel Benito Gomes de Herrera, entre 1719 e 1724, "é sem dúvida o melhor de toda a Espanha". O autor do memorial, o mestre de capela e organista Dionísio da Glória, classifica o órgão como "um monstro de harmonia da Europa, incluindo os de Hamburgo, de Pádua, de Trento e de Palência.

Após a saída dos cónegos regrantes do seu mosteiro em 1834 e da entrega da igreja, vinte anos depois, para servir de paroquial, o órgão, pelo pouco uso, foi-se degradando. Em 1867 foi aberto um concurso para o seu restauro, que acabou por ser entregue a um organeiro do Porto, cujo trabalho não conseguiu fazer regressar o instrumento ao seu antigo esplendor. Nas décadas seguintes a utilização do órgão foi-se tornando cada vez mais rara, acabando este por quase emudecer; e praticamente mudo chegou ao nosso tempo.

Em boa hora um grupo dinamizado pelo então prior de Santa Cruz, cónego José Bento Vieira, propôs-se, nos anos 90, dar os passos necessários para que aquele que no século XVIII era considerado "o melhor órgão de Portugal" voltasse a ressoar no templo dos antigos crúzios. Depois de várias tentativas, de sucessivos contactos e de diversos pedidos, o Ministério da Cultura, através do IPPAR, decidiu financiar o restauro levado a cabo, entre 2004 e 2008, pela Oficina e Escola de Organaria de Pedro Guimarães e Beate von Rodhen, que se propôs recuperar completamente o instrumento, fazendo-o regressar ao nível harmónico de 1724. [...]»